Aloimune • Imunologia da Reprodução

71 3235-0958 • 99197-8344

Imunologia de Reprodução

A Imunologia da Reprodução estuda ainda as causas autoimunes (imunidade a si próprio). As causas autoimunes são reconhecidas a partir da detecção de autoanticorpos. Não hánecessidade de encontrar doença autoimune ativa.
Home » Imunologia de Reprodução » Abortamento Habitual ou de Repetição
Abortamento Habitual ou de Repetição

Abortamento Habitual ou de Repetição

Aborto é definido como a perda gestacional antes de 20 semanas de gravidez ou peso fetal menor que 500 gramas . Aproximadamente 20 a 30% das gestações diagnosticadas irão evoluir para aborto espontâneo.

Abortamento Habitual, Recorrente ou de repetição é definido como três ou mais abortos espontâneos consecutivos.

Pode ser classificado em primário (mulheres que não tiveram parto) ou secundário (mulheres que já tiveram pelo menos um parto).

O Abortamento Habitual acomete entre 1 a 3 % dos casais em idade reprodutiva. Estima-se que no Brasil, um milhão de casais sofrem deste problema. Na Bahia, deve haver cerca de 100 mil casais nesta condição.

Entre as causas descritas para etiologia do Aborto Habitual podemos dividí-las em:

1) Causas genéticas
2) Causas Endócrinas
3) Causas Anatômicas
4) Causas infecciosas
5) Causas Hematológicas (trombofilias)
6) Causas Imunológicas
7) Causas Ambientais
8) Causas Desconhecidas.


1) Causas Genéticas
3 a 6% dos casos.

A anormalidade mais freqüente é a translocação balanceada observada no cariótipo de um dos parceiros.

Outras anormalidades cromossômicas que podem ser encontradas são: mosaicismo sexual, inversão cromossômica e cromossomos em anel.

O aconselhamento genético é essencial nesses casos.

O tratamento pode ser feito com a avaliação genético pré-implantacional do embrião.
2) Causas Endócrinas
5% das causas de Aborto Habitual.

A Insuficiência do Corpo Lúteo (produção diminuída de progesterona na segunda fase do ciclo) é a principal causa deste grupo.

A suplementação de progesterona é o tratamento mais indicado.

O Diabetes Melitus descontrolado pode ser uma causa rara de Aborto Habitual.

Doenças da tireóide (hiper ou hipotireoidismo) quando bem controladas não se relacionam com Aborto Habitual. Porém, a presença de anticorpos antitireoidianos estão intimamente relacionados.

Portadoras da Síndrome dos Ovários Policísticos têm até 44% de história de aborto espontâneo. A utilização da metformina reduz estas taxas.
3) Causas Anatômicas
1% a 10% dos casos de Aborto Habitual.

As causas anatômicas podem ser:

• Malformações uterinas (útero bicorno, didelfo ou septado)
• Insuficiência istmo-cervical (Incapacidade do colo de manter a gestação)
• Pólipos uterinos
• Sinéquias
• Miomatose uterina

Alterações anatômicas são mais relacionadas com perdas gestacionais tardias, entre 12 e 20 semanas ou trabalho de parto prematuro.

O tratamento das causas anatômicas é cirúrgico na maioria das vezes.
4) Causas Infecciosas
É questionável a relação entre infecções genitais por clamídia, micoplasma e ureaplasma e a elevada incidência de aborto de repetição. Podem afetar a imunologia uterina, ativando as células NK. Estão envolvidas também como causas de abortamento, a listeriose e a brucelose.

Caso seja encontrado algum agente infeccioso em pacientes com história de Abortamento Habitual, deve-se utilizar antibióticos específicos. Esta abordagem pode reduzir os casos de rotura prematura de membranas, principalmente se for realizada cerclagem em colo uterino.
5) Causas Hematológicas
Nos últimos anos, tem-se descrito uma relação entre distúrbios da coagulação, tendência à formação de trombos no organismo (trombofilias), e maus resultados gestacionais. Entre eles, abortos de repetição e infertilidade.

Entre as trombofilias descritas como tendo relação com abortos de repetição podemos destacar as hereditárias e adquiridas.

Dentre as hereditárias, deve-se investigar:

• Mutação do gene da protrombina
• Mutação da enzima Metileno tetrahidrofolato redutase
• Fator V Leiden
• Deficiência das proteínas C e S e da antitrombina III
• A trombofilia adquirida é a Síndrome Antifosfolípide

O tratamento destas causas é pela administração de Aspirina e Heparina.
6) Causas Imunológicas
66% das causas de Aborto Habitual

Podem ser divididas em causas auto-imunes, aloimunes e síndrome antifosfolípide.

O tratamento é feito com Concentrado de Linfócitos Paternos, Aspirina, Heparina e Imunoglobulina Venosa.
7) Causas Ambientais
É descrita uma maior incidência de abortos espontâneos em pessoas com hábito de ingestão excessiva de café, álcool e tabagismo. É sabido também do efeito abortivo da radiação. Gases anestésicos também parecem elevar o risco de aborto. Exercício físico parece não estar relacionado como causa de aborto precoce. Microondas, ultra-som e terminais de vídeo parecem não elevar a taxa de aborto.
8) Causas Desconhecidas
Vale lembrar que ainda em torno de 20 a 40% dos casos de Aborto Habitual não é possível se determinar uma causa precisa, um campo vasto para novas pesquisas
Instagram
AV. Anita Garibaldi, nº 1555, Sala 105 - Centro Médico Garibaldi
CEP 40210-902, Salvador, Bahia
Telefax 71 3235-0958 / 99197-8344
Email: aloimune@aloimune.com.br
Responsável Técnico - Dr. Manoel Sarno - CREMEB - 13410
© Todos os direitos reservados - 2015 - CREMEB: 13410
Leadone